Translate

domingo, 1 de março de 2015

Benfica 6 - Estoril 0 (23ª Jornada da Liga Nos)


Jogo de festa na Luz no dia em que o Benfica assinalava o 111º aniversário.
O convidado era o Estoril que para além de ter a sua dupla de centrais ausente encontra-se ainda numa crise de resultados.
Já com Gaitan disponivel para este encontro, Jesus alinhou com:



Como era de esperar o Benfica entrou muito forte com uma grande dinamica ofensiva e aos 10 minutos dava o primeiro sinal de perigo.
 Maxi coloca na área, Jonas recebe e remata.
Kieszek defende e a bola vai à barra. Na recarga, Salvio não faz melhor e dispara contra um defensor do Estoril.

Aos 16 minutos novo momento de perigo.
Cruzamento de Gaitán na esquerda, por alto, para remate de cabeça de Jonas. O guarda-redes polaco voou e defendeu para canto.
Na sequencia do canto surge o primeiro golo do Benfica.
Canto de Pizzi da esquerda, entrada de rompante de Luisão, a desviar nas alturas para o fundo das redes.


ATÉ DA GOSTO!

Aos 18 minutos aquele que podia ter sido um grande golo!
Maxi cruza da direita, para o miolo da área, remate de Gaitán, de calcanhar, para defesa do guarda-redes.

O Benfica ia colecionando oportunidades e aos 26 minutos chegou novo golo.
Salvio finaliza um cruzamento rasteiro da esquerda de Lima após boa movimentação na área.
Estava feito o 2-0.



Aos 33 minutos foi a vez de Pizzi.
 Remate à entrada da área, ao ângulo, que deixou o polaco pregado ao chão.



Estava feito o 3-0 mas parecia que desta vez o Benfica não queria ficar por aqui.
Continuava pressionante e sem deixar a equipa de Couceiro respirar.
Não foi por isso de estranhar que surgisse o 4º golo aos 35 minutos.
Excelente jogada colectiva.
Combinação entre vários jogadores, toque de calcanhar de Gaitán para Maxi já na area com o uruguaio a cruzar rasteiro para Jonas encostar para o fundo da baliza.
Um hino ao futebol!



Com um 4-0 no marcador o Benfica foi para os balneários com o jogo no bolso e com mais 45 minutos pela frente.
As estatísticas do primeiro tempo não enganavam:
71% de posse de bola e 4 golos! Revela bem o domínio avassalador do Benfica.

No segundo tempo mais do mesmo.
Um Benfica com muito menos intensidade mas ainda assim controlador do jogo.
Aos 55 minutos falta de Kakuba sobre Jonas dentro da area de rigor.
O arbitro viu e assinalou bem,
Chamado a bater Lima não desperdiçou e fez o 5-0.



Aos 64 minutos o mesmo Lima tenta um lance de elevada nota artistica.
Cruzamento de Maxi da direita, Lima finaliza de calcanhar na passada, para defesa atenta de Kieszek.

Aos 68 minutos Anderson Esiti recebe o segundo cartão amarelo e é expulso. Se no primeiro amarelo não ficou duvidas nenhumas (o arbitro até explicou ao jogador que era por reincidência de faltas) no segundo amarelo também nas as pode haver uma vez que o jogador joga e corta a bola deliberadamente com a mão...



Ainda assim foi mesmo o Estoril que aos 78 minutos podia ter chegado ao golo.
Bonatini aparece isolado e remata com selo de golo, mas Artur desviou a bola para o poste e negou o golo.

Aos 86 o Benfica chegava novamente ao golo.
 Jonas à boca da baliza numa recarga de Ola John (após defesa de Kieszek) faz o seu segundo golo e o sexto do Benfica.
Com este golo estava também encontrado o resultado final.
Benfica 6 - Estoril 0 uma vitória que se aceita por completo e que podia ter outros numeros se o Benfica tivesse mantido o ritmo da primeira parte.
Um fim de semana desportivo muito agradável não só pelos 3 pontos mas também porque Porto e Sporting se enfrentam...


sábado, 21 de fevereiro de 2015

Moreirense 1 - Benfica 3 (22ª Jornada da Liga Nos)

Numa deslocação sempre complicada a Moreira de Conegos, o Benfica era o primeiro dos 3 grandes a entrar em campo ainda sem Gaitan.
Para este embate Jesus alinhou com:
Artur, Maxi, Luisão, Jardel, Eliseu, A. Almeida, Pizzi, Salvio, Ola John, Jonas e Lima.

Nos momentos iniciais da partida grande susto para o Benfica.
Alex, aproveita uma rápida saída para contra-ataque, remata rasteiro com a bola a sair muito perto do poste direito de Artur.
Estava dado o aviso daquilo que esperava o Benfica.
Num campo de dimensões reduzidas o Moreirense ia pressionando alto junto da defesa do Benfica e criava dificuldades quer na circulação de bola quer nas transições rapidas do Benfica.

O Benfica criou o primeiro lance de perigo aos 9 minutos por intermedio de Lima rematou à entrada da área com a bola a sair ao lado da baliza de Marafona.

Os homens de Jesus iam reclamando a bola para si mas sem tirar grande proveito disso criando apenas perigo nas bolas paradas, nomeadamente cantos que iam surgindo em catadupa sem que no entanto o marcador sofresse alterações.

Aos 25 minutos nova ocasião para o Benfica. Pizzi, à entrada da area, controla de primeira e remata levando a bola a sair muito perto da barra da baliza do Moreirense.

O Benfica era dono e senhor do jogo e foi por isso com bastante surpresa que aos 35 minutos, e sem que nada o justificasse, que a equipa da casa chegou à vantagem.
Recuperação de bola ainda no meio campo defensivo, Arsénio coloca em João Pedro que á entrada da área remata colocado, fora do alcance de Artur ( com a bola a desviar em Jardel).

Estava feito o 1-0 resultado com que as equipas recolheram aos balneários.

No segundo tempo tudo diferente. Um Benfica com mais garra e muito mais rápido nos seus processos. Adivinhava-se e bem dificuldades para os da casa.
Logo aos 49 minutos o arbitro começa uma actuação que para muitos (leia-se os anti Benfica) foi tendenciosa. Eu o que vi foi um arbitro a aplicar as regras, algo que efetivamente em Portugal não acontece em demasia.

Como já era um lance recorrente, o arbitro decidiu mostrar o cartão amarelo ao guarda-redes Marafona por tardar demasiado tempo em recolocar a bola em jogo.



Cai aqui portanto o primeiro mito da ajuda arbitral neste jogo.
O Benfica continuava pressionante e a equipa da casa tinha muitas dificuldades em parar os jogadores encarnados.

Aos 58 minutos o caso do jogo.
Salvio entra dentro da area e acaba por cair já perto da linha final pressionado por Elizío.
O arbitro Jorge Ferreira assinala canto.



Ora, num tempo em que a norte se faz eco de um "colinho" dos arbitro ao Benfica aqui seria extremamente facil marcar penalti! Embora o Record diga que não, aqui há contacto e é grande penalidade! O toque é mais do que sufciente para desiquilibrar quem vai em corrida!
Admito que não marque por não ter visto, mas sinceramente creio que este lance significa muito mais do que um erro...
Se o arbitro ali estivesse para ajudar ou para dar o tal "colinho" aqui não tinha hesitado mas o senhor Jorge Ferreira fez o mais fácil: deu canto.

Na sequencia do canto o Benfica chegou mesmo ao golo!
Canto batido na direita com o central a surgir ao primeiro poste a rematar de cabeça para o empate!



No final da partida ainda afirmaram que era falta de Luisão mas foi um lance sem espinhas!

Este minuto será recordado para sempre como o minuto desespero!
Primeiro dizem que o Benfica é ajudado porque o arbitro concede canto quando devia ser pontapé de baliza (na realidade, como já vimos em cima, era PENALTI).
Como na sequencia do canto foi golo, tentou arranjar-se uma falta de Luisão, algo que nem Sporcotv conseguiu ver. É o que temos.

Estava feito o empate que era mais do que justo! O Benfica tinha tempo mais do que suficiente para tentar a cambalhota no marcador.
Apenas 2 minutos depois o arbitro interrompe a partida e mostra o cartão vermelho directo a Simões.
Provavelmente por palavras (esperemos pelo relatório) no entanto algo que não se pode deixar de assinalar:
O jogador nem sequer protesta!!
Apenas sorri...
Há quem diga que Simões se lembrou da mãe do arbitro...
O que não sabemos é se o fez de propósito para falarem em cartões vermelhos nos jogos do Benfica ou não! Não admirava nada que tivesse sido uma encomenda...



Com esta foto creio que fica tudo dito...
Na sequencia da confusão os dois treinadores foram expulsos.
O do Moreirense por querer separar o seu raivoso dragão do arbitro e Jesus por ter entrado em campo para falar com os jogadores.

Se com onze jogadores o Moreirense sentia enormes dificuldades, com menos uma unidade passou a ter mais.
Apenas 5 minutos depois de tudo isto o Benfica chega ao segundo golo por Eliseu.
Na sequência de um canto a bola chega a Eliseu que remata de primeira. A bola bate na relva antes de chegar à baliza, mas Marafona foi muito mal batido.



Poucos segundos depois o mesmo Eliseu volta a ter um lance que tem tanto imprudente como de escusado.

Imprudente pois levou um "cabrito" por ter entrado "á queima".
Um jogador que jogou na liga espanhola contra os melhores não pode ser comido assim num lance contra o Moreirense....
É verdade que depois Eliseu ganhou a frente do jogador e controlou bem o lance...
Mas sujeitou-se! Com um Jorge Sousa ou um Benquerença o desfecho podia ser outro...
O lance é limpo como podem ver na foto. Eliseu ganha a frente e é o jogador do Moreirense quem coloca o braço na frente do jogador encarnado..



Aos 73 minutos o Benfica deu o golpe de misericordia.
Salvio cruza rasteiro e Jonas na pequena área a finalizar sem oposição.
Estava feito o terceiro.



Dai em diante o Benfica limitou-se a controlar o jogo até ao derradeiro apito do arbitro.
Vitória justa do Benfica num jogo difícil em que os jogadores vestiram o fato de macaco.
Os antis falam em ajudas arbitrais mas sem justificação.
Um jogador que é expulso por palavras não é inteligente e o Benfica também não pode ser culpado por um "frango" de Marafona.
Segue-se o Estoril em casa.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Benfica 3 Setubal 0 (21ª jornada da Liga Nos)

Cerca de 40.000 nas bancadas para ver o seu Benfica novamente com o Vitória de Setubal mas desta vez para o Campeonato Nacional.
Para este encontro Jesus voltou a mexer na equipa e entrou com:



Como era de esperar e face aos ultimos encontros desta época, o Benfica era super favorito para este jogo e portanto esperava-se um jogo tranquilo.
Assim foi.
No entanto logo nos minutos iniciais o Vitória lança ataque rápido que chegou a area de Artur. Rambé acaba por cair na área no duelo com Jardel. O árbitro mandou seguir e bem!
Não existiu qualquer falta neste lance. Ainda assim fica o reparo:
Jardel tinha o lance controlado e colocou a baliza em perigo de uma forma infantil ao permitir que Rambé voltasse a "entrar" no lance..
O Benfica impôs facilmente o seu ritmo e era senhor do jogo  e não foi por isso de estranhar que aos 9 minutos chegasse à vantagem.
Canto de Pizzi para o primeiro poste, onde aparece Jardel!
O brasileiro saltou mais alto e rematou de cabeça para o fundo das redes.
#jardelresolve estava de volta!



Ainda alguns adeptos festejavam o golo de Jardel e já o Setubal respondia com um "cabeceamento" perigosíssimo!



Artur defendeu e o jogo prosseguiu como nada de anormal tivesse acontecido!
Pouco tempo depois seria Salvio a criar novo lance de perigo que no entanto saiu por cima da baliza de R.Batista.
Aos 22 minutos novo lance de perigo para a baliza do Vitoria.
Cruzamento da esquerda, bola chega a Maxi, que remata forte para Miguel Lourenço cortar já em cima da linha de golo.

Adivinhava-se o segundo golo que efectivamente apareceu aos 40 minutos de jogo.
Assistência de Ola John da esquerda para Lima que de primeira atira para o fundo das redes.
Um lance que não devia ter acontecido uma vez que Ola John ganha o lance em falta...



Com o resultado em 2-0 a primeira parte acabaria pouco tempo depois com o Benfica a levar uma vantagem justa e que apenas pecava por escassa tendo em conta o caudal ofensivo.

No segundo tempo tudo igual mas desta vez o primeiro lance de perigo pertenceu ao Benfica.
Bola chega a Lima, na esquerda da área, que remata forte e rasteiro, para defesa de Ricardo Baptista.
Este lance seria uma copia fiel desta segunda parte com o Benfica a colecionar algumas oportunidades mas com a bola a não entrar ou por intervenção de Ricardo Batista ou por manifesta falta de sorte.
Foi preciso esperar pelo minuto 71 para gritar-se golo do Benfica.
Salvio ganha na direita, entra na área e cruza de pronto para remate de cabeça em mergulho, de Lima, de cabeça, para o fundo das redes.
Já não via um golo assim desde o golo de Marcelo (lembram-se?)



Até final da partida tempo para mais duas ocasiões claras de golo que o Benfica desperdiçou.
Vitória clara, justa e indiscutível do Benfica que apenas peca por escassa.
Com esta vitória o Benfica segue na liderança com mais 4 pontos que o clube corrupto e mais 9 que o Sporting que não foi além de um empate com o Belenenses.





quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Benfica 3 - Setubal 0 (Meia Final da Taça da Liga)

Para esta meia final Jesus, como é habito, promoveu grandes alterações no onze inicial para a recepção ao Vitória de Setúbal no jogo a contar para a meia final da taça da liga.

Alinharam pelo Benfica:




Logo aos 2 minutos o Setúbal mostrou que n vinha ver jogar.
Cruzamento de Pedro Queirós da direita, Suk recebe na área mas adianta muito a bola e o lance perde-se.
No entanto alguns conseguiram aquilo que nem a sportv teve a ousadia de fazer:
Afirmar que era penalti! Talvez seja...numa mente muito fértil.

Um minuto depois a equipa Sadina volta ao ataque e Pelkas tenta a sorte fora da área, com a bola a ser tocada pela defesa benfiquista e a sair para canto.

Aos 4 minutos a melhor oportunidade do Vitória durante todo o jogo.
 Advíncula ganha a Eliseu, encara Artur e colocar em Pelkas, que vindo de trás e sem oposição, remata para a baliza deserta. No entanto surge Lisandro a cortar "milagrosamente", para canto. Grande Lisandro.

Este lance parece ter acordado a equipa do Benfica que começou aos poucos a tomar conta do jogo empurrando a equipa visitante para a sua defensiva, deixando completamente isolado Suk.

Ainda assim o Benfica não conseguia chegar ao golo.
Foi preciso chegar ao minuto 41 para gritar-se golo na Luz.
Grande abertura para Guedes que domina a bola e quando só tinha o guardião sadino pela frente sofre falta de Advíncula.
Apesar de todo o teatro, Guedes sofre falta.
Advíncula foi expulso e na minha opinião bem! Bem pois Guedes só tinha o guardião pela frente e Advíncula cortou assim uma ocasião clara de golo. Portanto...
Chamado a bater Talisca não perdoou.



Apenas quatro minutos depois nova infantilidade da defesa do Vitória de Setúbal, falta sofrida de Talisca, cometida por Paulo Tavares dentro da área.
Talisca preparava-se para bisar mas Pizzi quis marcar e assim foi. Estava feito o 2-0.



Foi com este 2-0 com que as equipas foram para o balneário.
O Benfica tinha pela frente mais 45 minutos, uma vantagem de dois golos e mais uma unidade em campo. Tudo em harmonia para garantir mais uma final da Taça da Liga.

O segundo tempo começou como tinha terminado o primeiro: Com o Benfica a controlar.
No minuto 51 Bomba de Gonçalo Guedes que só a barra parou!
A segunda parte foi todo um desperdício!
O Benfica coleccionou oportunidades que podiam ter dado um resultado histórico (tal como já tinha acontecido contra o Boavista).
Ao minuto 57 o arbitro podia ter assinalado nova grande penalidade por mão dentro da área...



Foi preciso chegar ao minuto 73 para ver novo golo do Benfica.
Ola John assiste o avançado brasileiro, que recebe na área com tranquilidade e classe, para disparar para o fundo das redes.
Estava feito o 3-0 e fechado o marcador.
Vitória incontestável do Benfica que garante assim mais uma final da Taça da Liga!
Um currículo bastante aceitável até agora: 35 jogos e uma derrota.

Próximo adversário: Marítimo ou Porto

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Sporting 1 - Benfica 1 (20ª Jornada da Liga Nos)

Jogo grande em Alvalade com um Sporting ainda a sonhar e um Benfica "apenas" com a necessidade de pontuar (especialmente após a vitória do Porto sobre o Moreirense).

Como já era esperado, Julio César não recuperou e ficou de fora por lesão, seguindo o exemplo de Gaitan,  ficando assim o Benfica privado de dois dos seus melhores jogadores.

Jesus alinhou com Artur; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Eliseu; André Almeida, Samaris, Salvio e Ola John; Jonas e Lima

Jogo que começou com alguma intensidade e com o primeiro sinal de perigo a ser dado pelo Benfica aos 8 minutos. Jonas desmarca muito bem Salvio na direita. O argentino remata de primeira mas a bola bate em Tobias permitindo uma defesa sem grau de dificuldade a Patricio.

Apenas 10 minutos depois foi a vez do Sporting rondar a baliza de Artur.
 Jefferson bate o canto, tenso, para a área, com o lance a ser cortado por Jardel, para novo canto.

Poucos segundos depois, Eliseu (para não variar muito) permite que Montero entre na área, na meia-direita, e remate cruzado, rasteiro, para defesa segura de Artur.

Aos 23 Jonas recebe à entrada da área, vira-se e dispara, forte com a bola a sair por cima da barra.

Embora com grande intensidade o jogo não oferecia oportunidades de golo, dai o resultado de 0-0 ao intervalo.

No segundo tempo mais do mesmo. O Sporting tinha mais dinâmica e assumia, COMO LHE COMPETIA o jogo, no entanto não tinha nem arte nem engenho para criar perigo para a baliza de Artur.

O jogo era aborrecido e perante um Sporting "kamikaze" o Benfica mostrava-se cauteloso tentando sair pela certa.

Até que aos 87 minutos Jefferson marca e Alvalade explode de alegria.
Mau corte de Samaris, que isola João Mário. O médio só com Artur pela frente, remata para grande defesa do brasileiro. Na recarga Jefferson fez o golo sem hipóteses para Artur.

Foram 7 minutos de festa, 7 minutos em que os VISITANTES perdiam, 7 minutos de olés, 7 minutos de insultos, 7 minutos de bazofia, 7 minutos de soberba!
Até que 7 minutos depois, aos 90+4 Jardel meteu a bola no saco e calou todos os adeptos do clube da elite, do clube da gente diferente que estão a 7 PONTOS.

O encontro acabaria pouco tempo depois com um empate a uma bola.
Numa ocasião normal, seria um mau resultado!
Neste caso, tendo em conta as lesões de Júlio César e (principalmente) Gaitan, tendo em conta o golo sofrido aos 87 minutos, este resultado acaba por aceitar-se e não é mau de todo.

Relembro que Sporting e Porto ainda tem que encontrar-se (e o Porto ainda tem que se deslocar à Luz), portanto para todos os que criticaram pensem bem.

Por ultimo foi um prazer ver a lagartada toda a chorar nas redes sociais, a dizer que esmagaram o Benfica, que jogaram mais e melhor..
É verdade que este empate caiu do céu ao Benfica, mas também não é menos verdade que o sporting fez muito pouco para marcar um golo.
Mais uma vez em Portugal confunde-se domínio consentido com domínio imposto.
Ainda bem! Em 2 jogos fora, Alvalade e Dragão, o Benfica conquistou 4 de possiveis 6 pontos.
Continuem a dizer que somos fracos, que não jogamos nada, que o Artur é mau, que somos levados ao colo etc...




sábado, 31 de janeiro de 2015

Benfica 3 - Boavista 0 (19ª Jornada da Liga Nos)

Depois de uma derrota inesperada, o Benfica voltava ao seu estádio para medir forças com um aflito Boavista.
Mesmo depois de uma derrota, os adeptos fizeram questão de dizer presentes e estiveram na Luz 40.000 almas para apoiar o seu clube do coração.
Para este encontro, Jesus alinhou com:
Júlio César; Maxi, Luisão, Jardel e Eliseu; Samaris, Pizzi, Salvio e Ola John; Jonas e Lima.

Aos 7 minutos o Benfica dá o primeiro sinal de perigo.
Lima aparece isolado, contorna Mika e assiste o holandês Ola J., que com a baliza aberta, remata por cima da barra...

O Benfica controlava as operações e os homens de Petit iam batendo em tudo o que mexia.

Ainda assim foi o Benfica a criar novamente perigo por intermédio de Salvio que isolado a passe de Lima  e só com Mika por diante rematou ao lado.

Aos 17 nova oportunidade por Pizzi mas Mika a fazer uma defesa segura.
Era um jogo de sentido único e o golo chegaria mesmo aos 23 minutos.
Passe magistral de Maxi Pereira para  Lima que isolado, desvia de primeira, com a cabeça, num chapéu com muita classe a Mika.



O Benfica não deixava o Boavista sair do colete de forças e adivinhava-se o segundo golo que chegou 10 minutos depois.

 Canto curto na direita, bola chega a uruguaio que, de pé esquerdo, remata forte. A bola ainda sofreu um desvio num defesa acabando por enganar Mika.




Até ao final da primeira parte o Benfica limitou-se a falhar golos e mais golos dai o resultado ao intervalo ser de "escassos" 2-0.
Por curiosidade também na posse de bola o Benfica ia ganhando com 74%.

No segundo tempo nada de novo, um Benfica mandão e logo aos 48 minutos..



Philipe Sampaio derruba Lima pelas costas, na área, falta para grande penalidade que o árbitro não assinalou...

Aos 49 minutos o primeiro lance de perigo por parte do Boavista.
Uchebo consegue aparecer isolado, mas no entanto foi-lhe assinalado fora-de-jogo.

O Benfica continuava com a sua avalanche de jogo ofensivo mas o golo acabaria por aparecer num penalti...inexistente.
Samaris foi derrubado por Afonso Figueiredo mas fora da área.



Chamado a bater, Jonas não falhou e fez novo golo para o Benfica.

Apenas três minutos depois a situação do Boavista podia ter piorado se o arbitro tivesse visto este lance...



O Benfica baixou claramente o ritmo depois deste terceiro golo mas ainda assim continuava dono e senhor do encontro continuado a desperdiçar ocasiões de golo clarissímas.

Aos 78 minutos um dos momentos mais bizarro de sempre.
Sem qualquer necessidade, Julio César sprinta para que a bola não saia do terreno de jogo e contrai uma lesão muscular que garantidamente o vai tirar do Derby.
Um lance que tem tanto de azar como de incompreensível.

Já perto do final do encontro outro lance que o arbitro deixa passar..



O resultado final foi de 3-0 mas podia ter sido o dobro ou o triplo!
Às vezes parece que temos medo de golear....
Segue-se o jogo de Alvalade.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Paços de Ferreira 1 - Benfica 0 (18ª jornada do Campeonato Nacional)





Após a derrota do Porto na Madeira, o Benfica fortemente apoiado, como já é habito, tinha uma oportunidade de ouro para colocar o campeonato no bolso e enfrentar daqui a duas jornadas o Sporting ainda com mais tranquilidade e sem quaisquer riscos.
Isto tudo no plano teórico.
Na pratica, falhamos!
Jesus alinou com:
Júlio César, Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Eliseu, Salvio, Samaris, Talisca, Ola John; Lima e Jonas.

O Benfica entrou muito bem na partida e logo aos 6 minutos quase chegava ao primeiro. Assistência de Sálvio com Jonas a surgir ao primeiro poste mas a rematar para fora.

Aos 17 minutos Ricardo coloca mão à bola e Bruno Paixão assinalou grande penalidade.
Chamado a bater, Lima atirou com estrondo à barra.

Aos 23 minutos Sálvio vai à linha de fundo e tenta cruzar com a bola a desviar nas pernas de Ricardo e a embater no poste.

Foi preciso esperar pelo minuto 29 para ver um lance de perigo para a baliza do Benfica.
Cicero, após a cobrança de um canto, aparece sozinho na cara de Julio César, no entanto o imperador negou o golo e manteve o resultado num 0-0 resultado que as equipas levaram para o balneário.

No segundo tempo e quando todos esperavamos uma demonstração de força do campeão nacional, eis que o Benfica brinda os seus adeptos com uma segunda parte sem garra, estranhamente sem motivação suficiente (ou será que eram os do Paços que estavam anormalmente motivados?!)

Ainda assim o Benfica ia criando alguns lances de perigo como foi o caso do cabeceamento à barra de Lima aos 60 minutos.

O jogo foi-se arrastando e a equipa do Paços fazia das "tripas coração" e chegava cada vez com mais perigo à baliza do Benfica.
Até que ao minuto 90 e sem qualquer duvida, o arbitro marca penalti contra o Benfica.
Eliseu, quem mais!
Numa entrada que tem tanto de desnecessária como de imprudente, varreu Hurtado já dentro da area.

O Paços não falhou e impôs assim uma derrota ao Benfica.

Este post começou (e terminará) com fotografias das bancadas.
Não foi ao acaso!
O Benfica, depois de conhecer o resultado do Porto e jogando praticamente em casa, TINHA OBRIGAÇÃO DE VENCER e deixar os corruptos a 9 pontos!
Tivemos oportunidades mais do que suficientes para além do penalti!
Sei que há lesões, mas não há cansaço! Somos melhores que o Paços e tínhamos de vencer!
Só estamos em duas frentes e uma vitória hoje arrumava praticamente a discussão do campeonato.
Falhamos uma oportunidade de ouro e não se respeitou as várias centenas de adeptos/sócios presentes na Mata Real!

 Segue-se a recepção ao Boavista e deslocação a Alvalade.
Na casa do Sporting só dois resultados são possiveis: Vitória ou Empate.