Translate

terça-feira, 25 de março de 2014

SL Benfica 3-0 Académica (24ª jornada)

Duelo com tradição na Luz.
O Benfica começava esta partida com o dobro dos pontos da briosa.
Mas nem por isso o encontro  foi encarado como fácil.
A Académica vinha de uma sequência muito boa e não perdia para o campeonato há 5 jogos e apresentava-se em Lisboa com a segunda defesa menos batida desta segunda volta do campeonato.
No entanto Benfica também tinha algo a dizer em relação a números:

Jesus e os seus homens não perdem na Luz há 42 jogos.

Nas ultimas 6 partidas na Luz o Benfica não sofreu golos em casa (para o campeonato) e leva 75 jornadas consecutivas a marcar no seu estádio!
Para vermos melhor que tudo isto só recuando 25 anos.

Durante a semana troca de elogios entre Sérgio Conceição e Jesus no entanto o ex jogador dos corruptos não deixou de ser irónico...



Um resultado de 3-0 ou 3-1 parecia um exagero...
Não havendo qualquer mudança no discurso de Jesus, o Benfica entrou em campo apenas com uma mudança em relação ao habitual:
Sílvio ocupava o lugar de Maxi.
O Benfica alinhou com:



Na partida numero 250 de Luisão para o campeonato, o Benfica entrou fortíssimo na partida e rapidamente podemos entender a estratégia da Académica.
Vinham defender o máximo possível.

Logo aos 7 minutos o Benfica da o primeiro sinal de perigo com Ricardo a impedir um autogolo de Halliche!

O Benfica sufocava os estudantes e aos 11 minutos chega ao primeiro golo da tarde!
Jogada individual de Rodrigo que, já dentro da area, remata ao poste. A bola voltou para trás e seguiu para a zona de Halliche, que não foi lesto na tentativa de cortar e quando o fez já o pé de Lima lá estava.
Um golo repartido que demonstra toda o sentido de oportunidade de Lima que parece definitivamente estar de volta aos velhos tempos, isto é, jogar bem e marcar golos.




O Benfica queria mais e mantinha o ritmo. Os lances de perigo iam-se repetindo.
Aos 21 minutos Gaitán consegue fugir a defesa da Académica, na esquerda, no entanto o árbitro anulou o lance por fora de jogo.
Má decisão.
Será que no final da temporada, quando o Scp elaborar outra tabela, este lance vai lá estar?


Aos 24 minutos o já tradicional penalti que fica por assinalar.
Joelhada de Alexandre a Lima.


O árbitro Rui Costa (o mesmo do Benfica Vs Arouca que não viu duas mãos escandalosas na área do Arouca) não conseguiu ver este golpe...
Será que este penalti também vai aparecer numa futura tabela das lamentações?

Nos jornais desportivos este lance teve muito pouco eco, como o Benfica já ganhava nesta altura e como no final ganhou 3-0, não se deu muita importância.
Confirma-se a teoria que penaltis não é para o Benfica!
Para ganhar temos de jogar sempre mais e melhor que o adversário e não esperar que as leis sejam sempre aplicadas.

 Aos 28 minutos um dos melhores golos que me lembro ter visto o Benfica marcar.
O lance inicia-se na sua defesa e teve uma progressão de área a área.
Estiveram envolvidos 8 jogadores diferentes e 35 toques (1.01 no vídeo).
Lima finalizou ao segundo poste uma jogada Brilhante!



Até ao final da primeira parte e com uma vantagem confortável no marcador, o Benfica limitou-se a gerir o esforço e a controlar a bola beneficiando de lances de perigo mas incapaz de alterar o 2-0 no marcador.
O domínio foi avassalador:
Dois golos, cinco remates à baliza, 68 por cento de posse de bola e um futebol com momentos mágicos.
Na segunda parte a equipa do Benfica voltou dos balneários com a mesma vontade e o mesmo ritmo.
O terceiro golo seria uma questão de tempo.
Questão de 14 minutos.
Aos 59 minutos pressão alta na saída de bola.
Enzo ganha o esférico e combina com Rodrigo para depois já na cara de Ricardo não desperdiçar e fazer o terceiro golo do Benfica.


Apenas 2 minutos depois, aos 61, o Benfica poderia ter ampliado a vantagem.
Rodrigo logra isolar-se, ultrapassa mesmo o guarda-redes, para depois rematar...ao poste.

Aos 68 minutos a primeira oportunidade para a Académica.
Cruzamento de Djavan, na esquerda, e remate de cabeça de Rafael Lopes, na pequena-área.
que passou muito perto do poste.
Aos 74 minutos, livre apontado por
Marcos Paulo de forma superior, levando a bola a passar muito perto do poste. Fica a sensação que Oblak estaria batido

Estas foram as únicas oportunidades para a Académica que durante todo o jogo se limitou a defender.
Muito pouco, senhor Sérgio.

O Benfica nos últimos 15 minutos preferiu fazer gestão mas ainda assim poderia mesmo ter chegado ao golo por intermédio de Sálvio
que rematou forte, já dentro da área, com a bola a bater no ferro.

Jogo avassalador do Benfica com uma vitória justa mas escassa.

Muita posse de bola, bom futebol, ritmo alto, três bolas nos ferros (uma resultou no golo de Lima) e ainda muitos lances de perigo.