Translate

sábado, 5 de abril de 2014

AZ Alkmaar 0-1 SL Benfica (Liga Europa - Quartos de final)


Embora já nos quartos de final, Jesus tornou a sublinhar que a prioridade continua a ser o campeonato nacional. Uma vez que a nível interno nada esta decidido, Jesus decidiu continuar com o já famoso sistema de rotação do plantel.

O Benfica entrou com:



A jogar em casa, perante o seu publico e sem complexos, o AZ entrou muito bem na partida exercendo uma pressão intensa e criando muito perigo nas suas transições.
Valeu ao Benfica um Artur inspirado que evitou o golo varias vezes e manteve as suas redes invioláveis.
Não teve uma noite fácil. A baliza do Benfica foi o foco de todas as atenções na primeira parte.
Logo aos 5 minutos remate cruzado muito perigoso. Artur não lhe toca mas estava no caminho do esférico.



Aos 18 minutos Johansson aparece na cara do guarda-redes brasileiro mas não consegue bater Artur que fez a mancha e desviou para canto!
Apenas um minuto mais tarde outra grande defesa de Artur a negar o golo a Berghuis que rematou de fora da área, fortíssimo e colocado.
Este seria o ultimo lance de grande perigo para a baliza do Benfica.
Foram 20 minutos tensos mas o Benfica aguentou a pressão inicial e começou aos poucos a equilibrar a partida.

O Benfica começava ter o controlo do jogo, mais posse de bola e acertava mais com as marcações no entanto aos 37 minutos duro golpe.
Ruben Amorim parecia lesionar-se com gravidade.

André Almeida entrou para o seu lugar.
Mais tarde as noticias eram animadoras!
O internacional português tinha "apenas" contraído uma entorse na tibiotársica esquerda, algo de  pouca gravidade, pelo que o tempo de paragem estimado é de uma semana.
Ao que tudo aponta já estará presente no jogo contra o Arouca.

O Benfica mostrava agora algumas dificuldades na construção de jogo, nomeadamente através dos homens do meio campo, mas ainda assim dominava a partida.
Terminando a primeira parte com maior ascendente sobre o adversário.
Ao intervalo o resultado era 0-0 e em muito graças a Artur e à pouca inspiração do ataque benfiquista.

No segundo tempo os jogadores do Benfica entravam com uma atitude bastante diferente e apenas 2 minutos depois do recomeço os cerca de 2000 Benfiquistas no estádio festejaram o primeiro e único golo da noite.
Cardozo rematou, Esteban defendeu para a frente e Salvio na recarga, à entrada da área, atirou de forma acrobática para o golo, beneficiando da ausência do guarda-redes.



Isto era o pior que podia ter acontecido ao Az.
A perder no seu estádio, os holandeses tinham agora que chegar mais perto da baliza de Artur, assumir o jogo, para tentar o golo, mas isso só acontecia com fugazes contra ataques que estiveram sempre controlados pela defesa benfiquista.

O Benfica, mais experiente nestas andanças, ia pela certa e aos 55 minutos podia ter decidido o jogo e a eliminatória.

Na sequência de um canto o argentino Garay cabeceia e Rodrigo falha a emenda de forma escandalosa!
O Benfica ia controlando mas, uma vez mais, deixou de jogar a partir do minuto 75.
Os últimos 15 minutos foram de alguma forma os mais preocupantes uma vez que o Benfica se limitou a defender e o Az a atacar no entanto os holandeses
demonstraram ter poucas soluções atacantes e apesar de remetido a sua defesa, o Benfica ia resolvendo todos os problemas.
Mas aos 90 minutos alguém se distraiu e
Johansson, sozinho na área, falha o remate de forma infantil e perde uma oportunidade clara de golo!

Pouco tempo depois o arbitro daria por concluída a partida.
Um Benfica de muita gestão, de alguma sorte (no inicio), de algum cinismo e de muita inteligência na Holanda a conseguir trazer uma vitoria magra mas importante.
Uma vitoria que não tem par!
A ultima vitoria na terra das tulipas foi precisamente há 45 anos.

Jesus e o "seu" Benfica continua a derrubar mitos e fantasmas.
O AZ
é uma equipa que tem um futebol tecnicamente evoluído, atraente mas não tem poder de concretização.
  Pelo que tivemos oportunidade de ver o AZ só de contra-ataque parece poder fazer mossa a um Benfica solido que apesar de ter sido surpreendido pela entrada inicial dos holandeses, equilibrou o jogo e depois geriu-o com a tranquilidade suficiente para trazer uma vantagem importante que coloca os encarnados numa situação privilegiada para marcar presença nas meias finais da prova.



Mais uma vez a jogar fora o Benfica esteve sempre muito bem apoiado...